Notícias Externas

Direção do Foro Trabalhista de Porto Alegre alerta para transtornos causados pela parada inadequada de veículos em frente ao Prédio

A Direção do Foro Trabalhista de Porto Alegre alerta para os transtornos decorrentes da parada irregular de veículos para embarque e desembarque de passageiros em frente ao prédio do Foro. Com frequência, podem ser observados veículos parados em fila dupla ou de forma a bloquear a entrada e a saída do estacionamento, o que obriga quem iria acessá-lo a esperar ainda na via. Essas duas situações acabam por impactar negativamente o tráfego na Av. Praia de Belas, principalmente nos horários de início das audiências, tanto pela manhã quanto à tarde, em torno das 8h30-9h e 13h30-14h, momentos de grande movimento na avenida, o que prejudica também o fluxo de acesso ao Foro.
A área adequada e destinada para embarque e desembarque rápido em frente ao Foro é exígua. Apenas dois carros de porte médio já ocupam todo o espaço disponível ao longo do meio-fio entre a entrada e saída do estacionamento. Portanto, a Direção do Foro faz um apelo à comunidade jurídico-trabalhista, bem como aos frequentadores da Justiça do Trabalho de forma geral, para que ocupem a área somente pelo tempo mínimo necessário para embarque ou desembarque, ou, acaso o local esteja ocupado, procurem outra área de parada, de forma a não interromper os acessos ao estacionamento.

Fonte: Secom TRT-RS

O pior 1º de maio do século: artigo em Zero Hora

Leia texto de autoria do presidente da AMATRA IV, juiz Rodrigo Trindade, publicado no jornal Zero Hora desta sexta-feira, 28/4. No texto, o magistrado discorre sobre a reforma trabalhista. "O projeto retrocede em elementos básicos de civilização, convivência e esperança de viver em um Estado não demolidor da dignidade do trabalho", afirma o dirigente.

Violência : Anamatra repudia atentado praticado contra Vara do Trabalho de Sorriso (MT)

Para entidade, discursos contra a Justiça do Trabalho disseminam o ódio no país

A Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) divulgou, na tarde desta quarta-feira (5/4), nota pública repudiando o atentado praticado nesta madrugada, com emprego de fogo e coquetel “molotov”, contra a Vara de Trabalho de Sorriso (MT), local onde atuam duas juízas do Trabalho, além de servidores. 

Para a Anamatra, discursos contra a Justiça do Trabalho disseminam o ódio no país, sendo prova disso o episódio na Vara de Sorriso. “São completamente inaceitáveis não só os ataques, ameaças e atentados que colocam em risco a vida dos magistrados e magistradas do Trabalho e servidores, mas também os discursos, não mais toleráveis, que acusam indevidamente os juízes de julgar sem a necessária imparcialidade”, alerta a Anamatra.

Confira a íntegra da nota:

Nota Pública – Atentado na Vara de Trabalho de Sorriso (MT)

A Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho ANAMATRA, entidade representativa de mais de 4.000 juízes do Trabalho em todo o Brasil, a propósito do atentado praticado na madrugada desta quarta-feira (5/4) contra a Vara de Trabalho de Sorriso (MT), com emprego de fogo, inclusive de “coquetel molotov”, vem a público afirmar: 

1 – O grave acontecimento objetivou, claramente, não apenas destruir o prédio público que abriga as Varas do Trabalho daquela cidade, mas também intimidar as magistradas que lá atuam. 

2 - O atentado ocorre na sequência imediata de mais um discurso irresponsável promovido por autoridade judiciária contra a Magistratura do Trabalho, na sequência do que tem ocorrido desde o segundo semestre do ano passado, período coincidente com o incomum crescimento de ameaças de morte contra pelo menos 5 (cinco) juízas do Trabalho no Brasil, fatos esses devidamente comunicados à Presidência do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que tem dado todo o suporte para as respectivas apurações. 

3 - São completamente inaceitáveis não só os ataques, ameaças e atentados que colocam em risco a vida dos magistrados e magistradas do Trabalho e servidores, mas também os discursos, não mais toleráveis, que acusam indevidamente os juízes de julgar sem a necessária imparcialidade.

4 – Como esta entidade já destacou em Nota Pública divulgada na última segunda-feira, esse tipo de conduta por parte de agentes públicos que integram o Poder Judiciário dissemina o ódio no país, sendo prova disso mais esse triste episódio ocorrido na Vara de Sorriso (MT). 

5 – A Anamatra solidariza-se com as juízas e servidores que atuam na Vara de Sorriso e demais colegas da Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 23ª Região (MT), entendendo ser absolutamente urgente e necessário que as autoridades competentes apurem as responsabilidades criminais dos autores desse fato pavoroso.

6 – Conclama ainda os integrantes do Poder Judiciário a terem conduta responsável e afirmativa das garantias da Magistratura, de logo ressaltando a subscritora que adotará as medidas necessárias para a defesa desses atributos e da dignidade dos juízes e da Justiça do Trabalho. 

 

Brasília, 05 de abril de 2017.

 

Germano Silveira de Siqueira

Presidente da Anamatra

 

 

 

Nota de Apoio à Justiça do Trabalho

Os juízes estaduais do Rio Grande do Sul unem-se à rede nacional de apoio à magistratura trabalhista e repúdio às declarações impertinentes do Ministro Gilmar Mendes.

"O Ministro Gilmar Mendes, deve comporta-se de forma mais comedida, como deve agir um magistrado, pois assim não exporá o Poder Judiciário e as demais instituições. Como ministro do STF tem a responsabilidade de participar do debate das grandes questões nacionais de forma propositiva."

A AJURIS vem a público manifestar o seu apoio à Justiça do Trabalho e reafirmar a  importância da Justiça Laboral para a construção de uma sociedade justa e fraterna. 

Também lamenta as palavras proferidas pelo Ministro Gilmar Mendes buscando impingir ao Tribunal Superior do Trabalho um viés partidário e de que os nomes de seus componentes foram indicados por central sindical, de forma a lançar dúvidas, inaceitáveis, sobre a honorabilidade, apuração dos requisitos e a falta de escrutínio dos nomes de seus ministros.

O Ministro Gilmar Mendes, deve comporta-se de forma mais comedida, como deve agir um magistrado, pois assim não exporá o Poder Judiciário e as demais instituições. Como ministro do STF tem a responsabilidade de participar do debate das grandes questões nacionais de forma propositiva.

TRT paulista condena executivo a pagar multa de R$ 9,2 milhões

Ex-diretor de multinacional ajuizou reclamatória trabalhista pedindo verbas rescisórias, apesar de já pagas. O Tribunal reconheceu a conduta como de má-fé e condenou ao pagamento equivalente ao dobro do postulado. A multa chega a mais de R$ 9 milhões.

Veja matéria completa em: 
http://www.valor.com.br/legislacao/4906750/trt-paulista-condena-executivo-pagar-multa-de-r-92-milhoes

Facebook

Rua Rafael Saadi, 127 | Bairro Menino Deus | Porto Alegre, RS | CEP: | Tel/Fax: (51) 3231-5759